O médico veterinário e conselheiro do CRMV-MG, dr. Antônio Carlos Lacreta Júnior, foi empossado recentemente como presidente do Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária (CBRV). O Colégio será presidido por dr. Lacreta no próximo triênio e faz parte da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária (ABRV), que tem como objetivo congregar médicos veterinários interessados em diagnóstico por imagem, promovendo palestras, cursos e congressos nacionais e internacionais. Sua nomeação ocorreu durante o VIII Simpósio Internacional de Diagnóstico por Imagem Veterinário, realizado nos dias 28 e 29 de março, no centro de convenções da PUC do Rio Grande do Sul. Confira abaixo uma entrevista com o Conselheiro, na qual ele aborda o panorama da Radiologia Veterinária no Brasil.

Como o senhor avalia importância do Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária?

O Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária tem como finalidade primordial congregar Médicos Veterinários Especialistas na área, com intuito de Deliberar sobre o tema em sua plenitude, Regulamentando, Normatizando e Acreditando a boa prática do Diagnóstico por Imagens na Medicina Veterinária, em todo o território nacional. Também é finalidade do CBRV em conjunto com a Associação Brasileira de Radiologia Veterinária (ABRV) conferir Título de Especialista em Diagnóstico por Imagens na Medicina Veterinária, conforme Resolução CFMV (Conselho Federalde Medicina Veterinária) nº 935 de 10 de dezembro de 2009, que dispões sobre Acreditação e Registro de Título de Especialista em áreas da Medicina Veterinária e Zootecnia, no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs. Recentemente ABRV/CBRV foram habilitados pelo CFMV,  para aplicarem a prova de título de especialista. Não menos importante, o CBRV também realiza o controle oficial das displasias coxofemoral e do cotovelo em cães, no País.


E qual é a sua perspectiva ao assumir esse desafio na presidência?

A perspectiva é de que consigamos evoluir em algumas questões importantes para a medicina veterinária. Uma delas é a regulamentação e normatização do uso das radiações ionizantes na medicina veterinária. É importante que tenhamos uma legislação própria, que atenda nossas especificidades, sem contudo deixar a proteção radiológica de lado. Esse tema deverá ser discutido, trabalhado e construído por diversas mãos, MAPA, ANVISA, CFMV e ABRV/CBRV. O CBRV terá papel fundamental na questão técnica dessas especificidades, uma vez que é composto por especialistas da área. Outra perspectiva é a de que consigamos aumentar o número de membros do CBRV. Para tal, nessa gestão, devemos lançar pelo menos mais dois editais da prova de título de especialista. É preciso aumentar a massa crítica e a força de trabalho do CBRV. Outras metas incluem a difusão da ABRV e do CBRV para todo o território nacional, acreditação de instituições que ofertam educação continuada na área, bem como, melhorar os processos internos do próprio colégio, melhorando cada vez mais nossa participação na sociedade.­­ Realmente são alguns desafios a vencer!


Disserte sobre a importância da radiologia veterinária?

A Radiologia Veterinária tem importância em diversos segmentos dessa profissão. O avanço da ciência da computação e da tecnologia da informação nos agraciou com uma evolução exponencial, na construção e qualidade dos equipamentos, aquisição de imagem e na comunicação dessas imagens. A área da saúde animal pode evoluir em diagnóstico e tratamento de afecções. Além da radiologia e ultrassonografia amplamente difundidas na medicina veterinária, hoje especialidades como oncologia e neurologia podem ocorrer com muito mais propriedade, quando dispomos de tomógrafos e equipamentos de ressonância magnética para nossos pacientes. A Radiologia Veterinária também está na produção animal, uma vez que a ultrassonografia é uma ferramenta indispensável para a biotecnologia da reprodução. Até na indústria de alimentos de origem animal podemos encontrar a radiologia veterinária. A avaliação da marmorização da carne, espessura da camada de gordura, entre outros parâmetros de qualidade de carne, são mensurados com o uso da ultrassonografia. Enfim, a importância é enorme e a interação dessas áreas só impulsionam a medicina veterinária.


Como o senhor avalia a relevância de recentemente ter sido creditado pelo CFMV com o título de especialista na área?

A maior relevância de recentemente ter sido creditado pelo CFMV com o título de especialista na área de Diagnóstico por Imagem na Medicina Veterinária não é pessoal, mas sim, ver a consagração de um trabalho que começou há muito tempo atrás com nossos mestres, principalmente com o Prof. Dr. Benedicto Wlademir De Martin, fundador e primeiro presidente da ABRV. A partir da iniciativa dele, muitos outros médicos veterinários, professores ou não, se dedicaram e se doaram para que conseguíssemos chegar até aqui. Me sinto honrado de ter tido e continuar tendo o privilégio de participar dessa construção. Ver a especialidade para qual me dedico há 20 anos ser reconhecida pelo CFMV, é motivo de muita felicidade. A especialidade é fundamental para que ocorram mais e maiores discussões técnicas, ações essas, que impactam no aprofundamento do conhecimento dessa área. Também tenho certeza que esse reconhecimento é um fator motivador para muitos médicos veterinários e alunos de medicina veterinária. Ao final, quem mais ganha são nossos pacientes animais, com maior qualidade técnica para atendê-los e por consequência a sociedade como um todo.


Mini currículo

Técnico agropecuário pela escola técnica agrícola estadual de 2º grau "Prof. Francisco dos Santos" em São Simão-SP, graduado em Medicina veterinária pela Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (UNIFENAS) Alfenas - MG, especialização em radiodiagnóstico de pequenos animais (Instituto Veterinário de Imagem - IVI) São Paulo - SP, especialização em clínica e cirurgia de pequenos animais (Fundação de ensino Octavio Bastos - FEOB) São João da Boa Vista - SP, mestre e doutor em cirurgia veterinária pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Júlio de Mesquita Filho, campus de Jaboticabal -SP. Foi professor de diagnóstico por imagem na Universidade de Franca (2003-2006), no Centro Universitário de Rio Preto - UNIRP (2006-2008), na Universidade Federal Rural da Amazônia (2008-2010) e atualmente (2010-) é professor da disciplina de Diagnóstico por Imagem do curso de medicina veterinária da Universidade Federal de Lavras. Membro do Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária (CBRV) e Conselheiro do CRMV-MG. Tem experiência na área de clínica e cirúrgica de pequenos animais com ênfase em diagnóstico por imagem. Desenvolve pesquisas e orienta na Pós-graduação (Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias da UFLA), no tema Diagnóstico por Imagem em Medicina Veterinária (radiologia e ultrassonografia), em pequenos e grandes animais, animais selvagens e animais de produção.