Em relação às informações veiculadas na mídia na manhã desta sexta-feira (22), o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais (CRMV-MG) informa que tem ciência dos fatos e esclarece que:

  1. Na última fiscalização realizada na clínica, ainda em 2019, não foram encontradas irregularidades;
  2. No segundo semestre de 2019 foram recebidas três denúncias contra os proprietários da clínica, tendo sido instaurados três processos éticos para apuração das informações;
  3. Os três processos encontram-se em fase de instrução no CRMV-MG; respeitado o amplo direito de defesa e do contraditório, conforme previsto no Código de Processo Ético;
  4. Após o trâmite mencionado, os processos serão levados à julgamento pelo Tribunal de Honra do CRMV-MG;
  5. Esclarece ainda que os médicos veterinários denunciados não se encontram, nesse momento, com o registros suspensos no CRMV-MG.

 

Sobre o uso de medicamento humano em tratamento animal

O CRMV-MG esclarece que é permitido o uso de medicamento humano para tratamento animal, desde que devidamente prescrito por médico veterinário e respeitadas as restrições previstas em normas do Ministério da Saúde e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

Sobre o congelamento/descongelamento de animais

Embora tenha sido divulgado na mídia que, por meio da administração de uma substância (injeção), possa-se restabelecer a condição, após descongelamento do corpo de um animal, como se houvesse acabado de morrer, cabe esclarecer que tal substância não existe. Não há como se injetar qualquer substância em um cadáver e esperar que essa atue a nível sistêmico, pois o animal morto já não possui circulação sanguínea. Sendo assim, é a equivocada a afirmação de que a injeção de um medicamento restabeleceria em um cadáver animal, após descongelamento, à condição de como se tivesse acabado de ir a óbito.