Com a mudança política nos governos estaduais, zootecnistas assumem cargos de gestão de relevância no país. Vejam quem são e onde estão atuando.

Agricultura/MG

O zootecnista e vice-presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais, João Ricardo Albanez, é o atual subsecretário de Política e Economia Agrícola, da Secretária de Estado Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, que tem, como competência, propor, elaborar, implementar e monitorar políticas para o desenvolvimento do agronegócio no estado.

Albanez é mestre em Zootecnia, pela Universidade Federal de Viçosa, e é funcionário do quadro técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Albanez tem experiência em políticas públicas voltadas para o setor agrícola, além de ter exercido, por mais de 20 anos, atividades de extensão rural e assistência técnica aos produtores rurais de Minas Gerais. h


Agricultura/AL

Para comandar a secretária de Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura de Alagoas foi nomeado o zootecnista Carlos Henrique de Amorim Soares. Formado pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e especialista em Gestão de Agronegócios, Soares já ocupava o cargo de secretário adjunto da Seagri/AL desde 2012, atuando na formulação e execução de políticas públicas para o desenvolvimento tecnológico e fortalecimento de cadeias produtivas.

É funcionário efetivo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Alagoas (Sebrae-AL) desde 2008, onde atuou como analista de projetos na área de negócios de produção animal, envolvendo apicultura, pecuária de corte, leite, ovinos, caprinos e coelhos e demais áreas de produção pecuária de Alagoas.

Na área privada, o zootecnista ganhou experiência como produtor rural de ovinos, caprinos, avestruz e, mais recentemente, com peixes. É de onde vem sua vivência com planejamento de propriedade rural, inclusão produtiva, análise de viabilidade de projetos, além de etologia e comportamento animal.

Na liderança da Secretaria de Agricultura, Soares promete investir em desenvolvimento rural e inovação, especialmente para agricultura familiar e de subsistência, que representa a grande força de produção do estado.

Agricultura/DF

O zootecnista Dilson Resende de Almeida é o novo secretário de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri/DF), onde já foi secretário adjunto e subsecretário de Regularização.

Formado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), o zootecnista é funcionário do quadro técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF) desde 1994, onde já foi presidente e diretor.

Exerceu diferentes funções públicas em Brasília. Foi presidente das Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) e superintendente de Saneamento Rural da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). Também ocupou cargos gerenciais e de assessoria na Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) e na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

Como novo secretário de Agricultura do DF, Almeida afirma que vai buscar uma gestão focada em resultados, com a participação da sociedade Civil e dos servidores do Sistema Público da Agricultura do DF.

Emater/GO
Zootecnistas assumem presidência e diretoria da Empresa de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater-GO).

O novo presidente é o zootecnista Pedro Leonardo de Paula Rezende. Servidor efetivo do estado de Goiás, Rezende foi professor da Universidade Estadual de Goiás e gerente e supervisor de Unidade Regional da Agência Goiana de Defesa Agropecuária. Além da vivência em gestão pública, Rezende tem experiência em pesquisa, ensino e extensão, e pelo conhecimento.

Para exercer o cargo de diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural da Emater/GO foi nomeado o zootecnista Antelmo Teixeira Alves. Ele possui graduação em Zootecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e pós-graduação pela Universidade Estadual de Goiás na área de rebanho leiteiro e tecnologias adequadas para a produção de leite. Exercia a função de chefe de gabinete da Emater e foi conselheiro suplente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Goiás.

Emater/PA

O zootecnista Ricardo Barata Pereira é o novo supervisor regional da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-PA), onde será responsável por doze escritórios locais, que compõe o regional (Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Barbara, Salvaterra, Soure, Cachoeira do Arari, Santa Cruz do Arari, Ponta de Pedras, Muaná e Chaves).

Mestre em saúde e produção animal na Amazônia, Pereira tem experiência em Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), em especial no arquipélago do Marajó.

Como extensionista e agente de desenvolvimento local, o zootecnista visa repassar o conhecimento produzido nas universidades e nos órgãos do governo aos produtores rurais.

No cargo de supervisor, Pereira quer buscar um papel integrador, conferindo mais efetividade às políticas públicas para o meio rural, contemplando os mais diversos públicos, como os quilombolas, comunidades tradicionais, agricultores familiares, além de pequenos, médios e grandes produtores rurais com ênfase para a produção animal e para as lavouras de interesse zootécnico.

O objetivo é garantir a qualidade da assistência técnica, a eficiência e eficácia de seus projetos de extensão rural, e consequentemente, promover o fortalecimento e o desenvolvimento rural sustentável.

Pesquisa/PB

O novo presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq) é o zootecnista e agrônomo Roberto Germano Costa.

Doutor e mestre em Zootecnia, Germano Costa é professor titular da Universidade Federal da Paraíba e já foi diretor do Instituto Nacional do Semi-Árido, vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

É bolsista de produtividade Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico.

Atua na área de manejo e nutrição de caprinos e ovinos, com ênfase na qualidade de produtos, como carne, leite e peles. 

Defesa/RN

O zootecnista Mário Manso é o novo diretor geral do Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do Rio Grande do Norte (IDIARN), órgão responsável por promover e executar a defesa animal e vegetal, o controle e a inspeção de produtos de origem agropecuária no estado.

Formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Manso é pós-graduado em Manejo Sustentável do Semiárido. Tem experiências na área de ovinos e caprinos, com ênfase em julgamentos de animais de elite. Também possui vivência prática em equideocultura e no manejo e implantação de pastagens.

No comando da autarquia de defesa animal do Rio Grande do Norte, o zootecnista propõe gestão transparente, diálogo aberto com os setores de produção e soluções voltadas ao crescimento seguro e sustentável da produtividade de qualidade.

Aprendizagem Rural/RS

O novo superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RS) é o zootecnista Eduardo Condorelli. Antes de assumir a direção, Condorelli já era assessor do órgão para questões relacionadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR). Também foi instrutor e supervisor regional da instituição nos municípios da Região da Campanha, no sudoeste do estado, próximos às fronteiras com Uruguai e Argentina.

Formado pela Universidade Federal de Lavras (MG), o zootecnista adquiriu experiência na área privada como produtor rural em Bagé, com soja, silvicultura e pecuária de corte.

É vice-presidente do Sindicato e Associação Rural de Bagé e um dos integrantes das Câmaras Técnicas do Conselho Estadual de Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, em temas que se referem as resoluções de reorganização do licenciamento ambiental no estado.

Vigilância Agropecuária/SP

O zootecnista Celso Gabriel Herrera Nascimento é auditor fiscal federal agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e agora assume a chefia do Serviço de Gestão Regional da 5º Região, vinculado ao Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) do Mapa. A divisão faz o controle e a fiscalização de operações de comércio e trânsito internacional de produtos agropecuário no estado de São Paulo, principalmente nos aeroportos de Guarulhos e Viracopos (Campinas) e nos portos de Santos e de São Sebastião.

Servidor de carreira desde 2000, o zootecnista começou no Mapa pela Superintendência Federal de Agricultura no Estado de São Paulo. De 2012 a 2018 assumiu a chefia do Serviço de Fiscalização de Insumos Pecuários (Sefip) de São Paulo, órgão federal que fiscaliza no estado os produtos veterinários, alimentos para animais, material genético e de multiplicação animal, bem como de registro genealógico.

Com a experiência adquirida em São Paulo, ainda em 2018 se tornou o diretor do Departamento de Fiscalização de Insumos Pecuários, em Brasília, e assumiu o comando nacional dos Serviços de Fiscalização de Insumos Agropecuários dos 27 estados.

Formado pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Nascimento é mestre em Nutrição de Ruminantes pela Universidade Federal Lavras, onde também fez especialização em Qualidade Total e Agricultura Empresarial.

Zootecnia/SP

O conselheiro suplente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo e zootecnista Luiz Marques da Silva Ayroza assume a diretoria geral do Instituto de Zootecnia (IZ), vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo.

Ayroza é doutor em Aquicultura pela Universidade Estadual Paulista (Unesp- Jaboticabal), funcionário público de carreira e pesquisador científico da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios desde 1987.

Foi diretor geral do Instituto de Pesca de São Paulo por três anos, onde contribuiu na área de pesquisa em aquicultura, especialmente em sistemas de produção de peixes de água doce, trabalhos com piscicultura, sistema de criação de tilápias em tanques-rede e viveiros escavados.

No comando do Instituto de Zootecnia, Ayroza tem a expectativa de trabalhar integrado com a cadeia de produção animal, agregando parceiros (universidades, institutos de pesquisa, coordenadorias da Secretaria de Agricultura), e direcionando as pesquisas desenvolvidas nos centros temáticos, conforme as demandas da agropecuária. 

Com informações da Assessoria de Comunicação do CFMV